Com mercado desaquecido, inflação de aluguéis se descola da realidade

Se o seu contrato do aluguel está vencendo e você tem a intenção de permanecer no imóvel, é possível que já esteja preocupado com as condições da renovação.

O proprietário vai alterar o preço? Como conduzir essa negociação? O que devo levar em consideração na hora de conversar? É normal, nesse contexto, que o locatário procure saber como anda o IGP-M, índice que serve como base para reajuste de contratos diversos, entre eles os de imóveis.

Atualmente, porém, é preciso refletir se esse índice traduz o que realmente ocorre no mercado. Nos últimos anos, a construção civil passou por um momento de grande expansão e, com isso, o preço dos imóveis disparou.

Ao mesmo tempo, também cresceu expressivamente a quantidade de imóveis novos no mercado.

Em 2013, por exemplo, a venda de imóveis residenciais novos subiu 23% apenas em São Paulo, de acordo com dados do Secovi (Sindicato da Habitação Paulista).

O mercado teve seu boom, mas deu sinais de desaceleração já em 2014. A oferta ficou grande demais para uma demanda que já não era tão ampla, e o agravamento da crise econômica também contribuiu para a piora de resultados no setor.

Ruim para as construtoras e os donos de imóveis, bom para quem tem interesse em alugar ou renovar um contrato. Dê uma volta em sua vizinhança e conte quantas placas de "vende-se" e "aluga-se" você encontra pelocaminho. Isso não acontece só com casas e apartamentos, mas também com pontos comerciais.

Por isso, se o locatário encontrar dificuldades na negociação, não terá muito trabalho em achar outro imóvel por condições mais favoráveis. Se o quadro fosse o oposto, a lógica se inverteria, mas o princípio da negociação seria o mesmo.

Em um cenário em que a oferta é menor que a demanda, o morador pode acabar sendo despejado se não concordar com o aumento do aluguel, já que fica mais fácil encontrar um novo inquilino.

No fim das contas, independentemente de o IGP-M se ajustar para cima ou para baixo, o índice está longe de mostrar o que acontece no mercado. Ele pode, de certa forma, ter alguma relação com o preço de atacado, mas acaba sem peso algum na negociação direta com o proprietário.

Para quem está com o contrato perto do vencimento, é bom pesquisar os preços e avaliar se existem imóveis mais baratos e em melhores condições. Ainda que exista interesse em permanecer no mesmo lugar, a pesquisa ajuda a fundamentar sua argumentação na hora de negociar os valores.

Por Samy Dana

Fonte: Folha de S. Paulo, Opinião, 02/11/2015