Comissionamento: vantagens para investidores e para a qualidade do empreendimento

O bom comissionamento é fundamental para garantir a qualidade construtiva e operacional do empreendimento e atender às demandas do cliente e investidor

 

A finalidade deste artigo é exemplificar situações que acontecem em um processo de comissionamento e, se identificadas antecipadamente na fase de projetos, podem resultar em redução ou eliminação de atrasos em obras e redução de custos durante a fase de uso e operação.

Analisaremos, portanto, um caso real: um projeto de interiores aplicado a uma reforma com cerca de 2.000m², com consultoria do CTE em comissionamento de sistemas prediais.

O espaço foi concebido para obter o certificado LEED ID+C Gold já na nova e atual versão 4.0, que apresenta critérios mais rigorosos frente às versões anteriores. Até o momento, não há projetos certificados nesse referencial, o que eleva o desafio deste projeto como um grande destaque dentro das novas certificações LEED no Brasil.

Durante 10 meses, e antes do início das obras, mais de 15 especialistas de diversas áreas – terreno, estrutura, impermeabilização, acústica, ar condicionado, elétrica, iluminação, cenografia, áudio e vídeo, controle de acesso, hidráulica, automação predial, combate a incêndio, sistema de detecção alarme de incêndio – estiveram envolvidos neste projeto.

A seguir são apresentados os principais destaques dos sistemas prediais desse projeto para um entendimento geral da complexidade das instalações.  

O sistema de ar condicionado é constituído por chillers elétricos de condensação a ar, bombas de água gelada, unidades fan-coils, caixas VAV’s, roda entálpica, ventiladores, exaustores, além de todos os componentes do sistema de automação predial, como sensores de temperatura, vazão e pressão.

Os chillers, compostos por um titular e outro reserva, fornecem água gelada para os fan-coils, que possuem insuflamento por dutos não metálicos, com isolamento térmico e acústico, além de baixíssimo peso e alta facilidade de instalação.

Um dos fan-coil atende ao térreo, onde o insuflamento do ar ocorre pelo plenum do piso. Tal sistema, ainda pouco utilizado no Brasil, é conhecido como UFAD (Underfloor Air Distribution) e resulta em elevada economia energética, especialmente para ambientes com pé-direito elevado. Os demais fan-coils têm o seu insuflamento controlado por caixas VAVs e termostatos instalados individualmente nos ambientes, atendendo à premissa de zoneamento térmico obrigatória da norma norte-americana ASHRAE 90.1-2010 e à orientação técnica da Norma Brasileira NBR ABNT 16.401:2008.

Para potencializar a eficiência do sistema, todo o ar externo possui pré-tratamento com rodas entálpicas que aproveitam a energia do ar interno (ar resfriado) e que seria desperdiçada ao meio externo, pré-resfriando o ar de renovação.

O controle de iluminação é totalmente automatizado por um sistema de gerenciamento específico para criação de cenários, controle dos circuitos e monitoramento da operação de 100% das luminárias do projeto, sendo um dos mais modernos sistemas de controle de iluminação existentes no mercado atualmente. Sensores de presença, interruptores sem fio e sensores de monitoramento do nível de iluminância integram o pacote de dispositivos que fazem parte desse moderno sistema.

Os sistemas elétricos são dotados de multimedidores eletrônicos de energia, que foram especificados para a medição das cargas elétricas por uso final, tais como: iluminação, sistema de ar condicionado, elevadores, equipamentos, etc. Essa solução é fundamental para implementação de planos de medição e verificação, no intuito de monitorar e estabelecer metas de redução de consumo de energia, sendo esta uma das premissas requeridas pelo cliente.

A automação predial vem para fechar o pacote tecnológico do projeto, integrando todos esses sistemas prediais e oferecendo ao empreendimento total monitoramento e controle. Diversos dispositivos – como sensores de pressão de ar e de vazão e sensores de temperatura nas tubulações de água e nos ambientes – otimizam o funcionamento dos chillers elétricos e os controles das bombas de água gelada, variando a sua velocidade conforme a demanda térmica do edifício.

Como o sistema de ar condicionado é o maior consumidor de energia, foi proposto um sistema de monitoramento, em tempo real, da demanda térmica instantânea através da utilização de  “BTU meters” integrados na automação. Desta forma, o sistema terá condições de comandar o acionamento de um ou mais chillers em função da real demanda térmica de resfriamento do edifício, evitando-se a operação simultânea de vários chillers. Além disso, o sistema de automação permite controlar e monitorar todos os demais equipamentos, otimizando seus usos - como as rotinas de operação dos fancoils que irão modular os ventiladores, válvulas de água gelada e caixas VAV em função das necessidades térmicas dos ambientes; permite também variar a renovação de ar externo, em função dos níveis de concentração de CO2, e comandar o acionamento das rodas entálpicas em períodos favoráveis de aproveitamento da energia interna para poder pré-resfriar a energia externa contida no ar de renovação.

Esse conjunto de estratégias torna o consumo de energia extremamente otimizado e, somado à integração dos multimedidores eletrônicos de energia também na automação, torna possível também a uma gestão energética global do uso dos equipamentos, promovendo a maior eficiência na operação dos sistemas prediais.

 

 

E onde entrou o processo de comissionamento?

O comissionamento foi contratado já no início da elaboração dos projetos, juntamente com a consultoria LEED do CTE. Preocupado com a qualidade das instalações, o cliente teve como premissa comissionar os projetos mesmo na ausência das certificações ambientais que, em geral, exigem como pré-requisito esta atividade.

Pela velocidade de elaboração dos projetos e obra, prevista para durar seis meses, e pelo nível de complexidade dos sistemas, o comissionamento teve vários desafios e grandes oportunidades.

Uma das situações identificadas em obra foram incompatibilidades entre as dimensões dos quadros elétricos e as disposições dos dispositivos e cabos alimentadores, o que poderia causar problemas na instalação como superaquecimento e curtos circuitos. O projeto elétrico era incompatível, não apresentando detalhes de localização dos componentes, barramentos e cabos dos quadros, o que gerou uma montagem incorreta, que não atendia a norma NBR IEC 60439. Todos esses problemas foram corrigidos e revisados com a intervenção da equipe de comissionamento.

Por outro lado, a necessidade de correção foi identificada logo no início das instalações, possibilitando readequação sem custos adicionais significativos dos quadros entregues e correção dos novos quadros, evitando-se atrasos nas instalações e riscos elétricos durante a operação predial.

Outro item muito importante no processo de comissionamento foi a solicitação dos testes de estanqueidade dos dutos, que garantiram a ausência de vazamentos, bem como testes, correções e balanceamentos, mais conhecido como “TAB” do sistema de insuflamento de ar, para ajuste das vazões conforme projeto. Sem estes dois testes, que estão na norma NBR 16401 – Instalações de Ar Condicionado, haveria aumento no consumo de energia do sistema de ar condicionado, pois os equipamentos trabalhariam muito mais para tentar garantir um resultado, ainda que incerto, de conforto térmico nos ambientes.

Não menos importante, os testes elétricos foram realizados para garantir a integridade dos condutores elétricos dos circuitos de baixa tensão e alimentadores de média e baixa tensão, funcionamento dos componentes dos quadros elétricos, como desarme dos interruptores diferenciais residuais “IDR”, e, por fim, a termografia dos quadros elétricos, garantindo que todos os terminais dos cabos elétricos estavam apertados, os balanceamentos das cargas estavam feitos e os componentes elétricos não apresentavam problemas. Foram seguidos e acompanhados os testes das normas NBR 14039 – Instalações Elétricas de Média Tensão e a NBR 5410 – Instalações Elétricas de Baixa Tensão.

Ao final de todos os testes dos sistemas elétricos e de ar condicionado, foram acompanhados e realizados todos os testes integrados do sistema de automação predial, para verificar e validar o funcionamento dos sistemas e as sequências de operação dos equipamentos, de modo a disponibilizar a operação automática e otimizada dos sistemas, de acordo com as premissas de projetos e estratégias de eficiência energética dos sistemas prediais, para as equipes de uso e operação.

Para concluir o processo completo de comissionamento e maximizar os benefícios ao cliente, foi realizada a análise crítica e técnica dos planos de treinamento para a equipe de operação. Após análise do agente comissionador, foi verificado que no plano não constavam todas as informações necessárias sobre os sistemas instalados. Com essa omissão, a equipe de operação seria treinada sem informações vitais para operação dos equipamentos, o que poderia prejudicar a funcionalidade dos sistemas, reduzindo o potencial de desempenho dos sistemas. O treinamento, portanto, é parte essencial do processo, pois se caracteriza como a etapa de “passagem de bastão” da equipe da obra para a equipe de operação predial.

As lições aprendidas desse projeto aqui relatado demonstram, enfim, que o processo de comissionamento é uma atividade fundamental, sendo uma metodologia extremamente útil e eficaz, desde que ela se inicie no início da fase de projetos e se desdobre pelas demais etapas dentro da cadeia de construção de novo empreendimento. Quanto antes este serviço entrar no processo, mais eficazes serão os resultados na redução de custos, atrasos em obras, erros de especificações e compras, instalações inadequadas, testes não executados ou incorretos e documentação e treinamento de baixa qualidade dos sistemas prediais.

 

Para saber mais sobre este projeto e o serviço de comissionamento de sistemas prediais que o CTE oferece aos seus clientes, entre em contato com:
Rafael Lazzarini – Gerente Comercial e de Novos Negócios da Unidade de Sustentabilidade do CTE – rafael@cte.com.br - 11 2149-0300